Release Notes – 23.05.2017

Programação/Gantt
– Alterado botão “Confirmar” para “Publicar”
– Incluídos botões para alterar a Prioridade da OP, adicionar Hora Extra e adicionar Parada
– Criada funcionalidade para salvar a programação em slots
– Melhorado cálculo do horário de transferência na programação reversa
– Adicionado ao QueueItem à verificação do LeadTime baseado no calendário padrão
– Programação Reversa ajustada para trabalhar melhor com Lotes de Transferência quando possuem ritmos diferentes
Integração
– Permitir definir cláusula que valida se a coluna será atualizada (WhereToUpdate)

Comentários
– Componente de comentários refatorado

Confirmação
– Removido da POSchedules de itens que deixaram de ser programados

MRP
– Adicionados logs mais detalhados no salvamento do Supply

Correções
– Ajuste para salvar o idioma que o usuário selecionou
– Ajuste na exportação para excel
– Ajuste na movimentação manual no Gantt
– Correção da exibição duplicada de operações com mais de um Split no mesmo OperNumber
– Alterar código padrão de calendário e regra de fila
– Exceção KeyNotFound tratada para não abordar processo

Release Notes – versão “Tiradentes” 2017.04.21

São as seguintes a modificações

Note importante: deve ser necessário clicar na função F5 do teclado para recarregar os scripts da tela, uma vez que o browser pode ter feito cash

 

Apontamento  

  • Liberar a próxima OP caso a OP atual tenha link com a PlannedOrderSupplyPOs. (RL – 13/02/2017) 
  • Alterado o status da OP de acordo com o apontamento realizado. (RL – 13/02/2017) 
  • Colocado em memória os Status da OP para não ficar consultando o banco várias vezes. (RL – 14/02/2017) 
  • Removido os números de Status, passando a tratar somente com o StatusType. (RL – 14/02/2017) 
  • Ajustado o código de fechamento da OP, para fechar somente quando todas as operações forem finalizadas. (RL – 14/02/2017) 
  • Criado um DTO para a tabela de Status da OP. (RL – 14/02/2017) 
  • Adicionado o transactionType START a API de apontamento, para forçar o início da operação ignorando o seu status. (RL – 09/03/2017) 
  • Adicionado o método Release na api de apontamento para liberar as operações. (RL – 20/03/2017) 
  • Melhorado o tratamento de erros ao salvar uma lista de produção. Caso um dos apontamentos falhe, será feito o rollback de todos. (RL – 20/03/2017) 
  • Liberar a primeira operação da OP somente se a mesma estiver com status 1 (RL – 27/03/2017) 

 
 

Programação Manual 

  • Novo layout por grupo de recurso. (JRM – 17/02/2017) 

 
 

Telas 

  • Detectar se form foi alterado. Mostra um asterisco no header se houve modificação. (JRM – 23/02/2017) 
    • Alterar os campos de valor dos inputs hidden para também utilizar o objeto vindo do Angular ao invés de pegar do C#. Como foi feito com os campos visíveis anteriormente. Isso foi feito para a exportação para o excel voltar a funcionar. (RL – 07/04/2017)
    • Ajustes de layout para remover os locais onde eram utilizados magin com valores negativos. (RL – 18/04/2017)

 
 

ExportToExcel

  • Detectar se form foi alterado. Mostra um asterisco no header se houve modificação. (JRM – 23/02/2017) 

 
 

 

Smart Gantt  

  • Criado o SmartGanttController para gerar as informações da tela simplificada do Gantt. (RL – 13/02/2017) 
  • Criado os templates da tela de programação para a implentação do SmartGantt. (RL – 22/02/2017) 

 
 

PlannedOrder  

  • Alterada a nomenclatura dos Status da OP e as suas cores. (RL – 13/02/2017) 
  • Adicionado o campo ScheduledState na OP e operação para indicar se foi ou não programado. (RL – 14/02/2017) 
  • Adicionado o campo ScheduledFailReason na PlannedOrderOperations para indicar o motivo de não programar. (RL – 14/02/2017) 
  • Removido os campos de ResourceID, LaunchTime, StartTime e EndTime da PlannedOrderOperations. (RL – 14/02/2017) 
  • Adicionado o campo Priority na tabela PlannedOrderStatus. (RL – 12/04/2017)
  • Ajustado filtro geral na tela de OMs (RW – 19/04/2017)

 
 

MPS 

  • Alterado o SupplyDemandWithPlannedOrders para percorrer a lista PlannedOrdersCreated e criar a estrutura dessas OPs. (RL – 03/03/2017) 
  • Criada função para verificar se existe alguma demanda aberta de um material (RW – 03/04/2017)

 
 

FCS 

  • Adicionando o modelo de fornos (FML – 08/03/2017) 
  • Ajuste de programação backward. Programar com base na data mínima de todas as sucessoras (FML – 08/03/2017) 
  • Ajuste no Driver que causava erro no carregamento do Supply se a OP estivesse fechada  (FML – 10/03/2017) 
  • Alterado o método HasAllComponentsInStock no QueueItem para aceitar o status released. (RL – 15/02/2017) 
  • Correção no método IsStockOK do QueueItem para ler o SuppliedByPlannedOrders ao invés de SupplyPlannedOrders. (RL – 16/02/2017) 
  • Ajustado o IsStockOK do QueueItem para reconhecer ops abertas sem operações como stock.(RL – 17/02/2017) 
  • Alterado o carregamento da PlannedOrders no Web Driver, para somente carregar operações abertas. (RL – 17/02/2017) 
  • Removido o ScheduleType. (RL – 17/02/2017) 
  • Recursos: Adiciona calendário e regra de fila defaults ao inserir um novo. (RL – 17/02/2017) 
  • Ajustes necessários para corrigir o índice do constraintid para string, bem como os tempos de setup, teardown e transfer para double (FML – 28/02/2017) 
  • Ajuste de bug relacionado a variação da disponibilidade de recurso secundário. (FML – 14/03/2017) 
  • Ao atualizar os status das OPs e operações não estava sendo feito o join com a ProjectDetails e também não era analisado o status da OP, somente da operação. (RL – 16/03/2017) 
  • Ajuste para que a operação interrompida não considere o estoque (FML – 21/03/2017) 
  • Adicionada a lista de Recursos que foram planejados (PlannedOrderSchedule) no DataSplit. (RL – 22/03/2017) 
  • Adicionado o campo IsPrimary na PlannedOrderSchedule. A marcação do IsPrimary está funcionando novamente. (RL – 22/03/2017) 
    • Ajuste para permitir que uma operação seja programada usando o LeadTime do material componente mesmo que esta possua uma Ordem de Compra com quantidade menor que o necessário. Isso estava fazendo a otimização não programar algumas OPs. (RW – 12/04/2017)
    • Adicionada razão da não programação no método que verifica se existe estoque dos componentes. (RW – 12/04/2017)
    • Incluídas novas razões da não programação com relação a disponibilidade de materiais e recursos. (RW – 12/04/2017)

 
 

SimpleFCS 

  • Ajustado OPs predecessoras e data inicial do calendário -90 dias. (FML – 10/02/2017) 
  • Adicionada a função de overlap de operações no SimpleSchedule. (FML – 21/03/2017) 
    • Corrigir caso em que o sistema gerava loop e estouro de pilha ao utilizar Lote de Transferência na OP com predecessora: Foi removido o código que fazia o ajuste no esforço dentro do mesmo recurso e mantido apenas quando está percorrendo as predecessoras. Pois é o único local necessário. Foi ajustado para calcular o EndTime baseado também no EndTime da operação sucessora subtraindo o tempo equivalente ao Lote de Transferência. Pois anteriormente estava utilizando o StartTime, causando erro no horário programado. (RW – 07/04/2017)
    • Na programação reversa, considerar lote de produção. (RL – 13/04/2017)
    • Ajuste para a programação reversa conseguir trabalhar com grupos de recursos, pois estava sempre alocando apenas um recurso do grupo. (RW – 20/04/2017)

 
 

Adicionar novo 

  • Nos pedidos, adicionar Cliente e Material diretamente via o typeahead. (JRM – 21/02/2017) 

 
 

FCS Commit 

  • Atualizado o Status de 0 para 1 as OPs e Operações. (RL – 15/02/2017) 
  • Redução de consultas e joins com a tabela de status. (RL – 15/02/2017) 
  • Removido método que atualizava o Start e End time para a Operations. (RL – 15/02/2017) 
  • Filtrado pelo Status 0 ao atualizar as datas das OCs e OVs. (RL – 15/02/2017) 
  • Atualiado o baseline somente se o Status da operação for 0. (RL – 15/02/2017) 

 
 

ScheduleBoard  

  • Alterado para pegar o status da operação. (RL – 15/02/2017) 

 
 

SeedScheduler  

  • Carregado os projetos do NewEngine do branch Main no SeedScheduler. (RL – 28/02/2017) 

 
 

 

Integração 

  • Incluída possibilidade de filtrar as OPs por status na interface de saída. Por exemplo: “/Api-v2/PlannedOrder?statusID=2”. (RW – 16/03/2017) 
  • Limitado o número de execuções e queues do monitor de integração para 20. (RL – 18/04/2017)

 
 

Exceções 

  • Incluído na tela de exceções (de calendário e de recurso) o campo “Quantidade” para informar a quantidade de recursos disponível durante a exceção. Útil para configurar Hora Extra. (RW – 21/03/2017) 

 
 

DbUpdater 

  • Alterado o campo ScheduledStateID para público para o DbUpdater. (RW – 21/03/2017) 

 
 

Fuso Horário 

  • Incluída a possibilidade de escolher o fuso horário que a empresa está localizada (através do menu “Configurações Gerais”). (RW – 16/03/2017) 
  • Ajustadas as funções de salvamento da otimização para salvar as datas sempre como UTC. Assim, o Gantt estará sempre correto independente do fuso horário que o cliente se encontra. (RW – 16/03/2017) 
  • Gantt alterado para entender a configuração acima, mostrando as datas no fuso horário do navegador do cliente. Também efetuado o mesmo ajuste no mini-Gantt presente na tela de OP. (RW – 16/03/2017) 
  • Ajuste na tela de calendário e de exceção para mostrar qual o Fuso Horário que a empresa está trabalhando e para salvar os horários selecionados sempre fixo, não sendo alterados independente do fuso horário do cliente. (RW – 16/03/2017) 

 
 

Logs de Acesso

  • Registrar os acessos dos usuários ao sistema. Os acessos estão sendo registrados no banco SeedWebAdmin, na tabela UserAccessLogs. Todas as requisições ao sistema estão sendo registradas. (RW – 17/04/2017)

Plano de Capacidade

Executado juntamente com o Plano de Produção, indica a necessidade de mão de obra, máquina e subcontratação. É feito alinhando a demanda e os prazos planejados. Caso prazos importantes não sejam atendidos, pode-se usar hora-extra ou subcontratação para atendimento. Caso exista excesso de capacidade, pode-se optar por migração, treinamento, férias ou dispensa de funcionários.

Período de análise:

Os Planos podem ser de longo prazo, como por exemplo plano anuais ou plurianuais. Esse período depende da capacidade da empresa em se mudar e ao mercado que atua. Normalmente uma empresa siderúrgica ou petroquímica os horizontes são mais longos do que uma empresa de injeção de plástico, por exemplo:

De qualquer forma é importante ter um planejamento anual (orçamento) para ajustar mão de obra, fornecimento, mão de obra e financeiro para o ano seguinte.

Revisões

As revisões normalmente são feitas mensalmente de forma a verificar o quanto a execução pode estar se dispersando do objetivo estabelecido no plano anual. Isso é importante para corrigir tanto problemas como:

  • Excesso de demanda. Se a empresa quiser atender a esse aumento, ela deve sinalizar para os fornecedores uma nova previsão de demanda para eles. Elas devem sinalizar também para o RH como ela irá tratar a necessidade de aumento de mão de obra e finalmente para o financeiro;
  • Baixa demanda: é quase que precisamente o inverso da situação anterior.

Importante: tanto excesso como falta de demanda podem acontecer com uma família e não com a outra. Por isso a análise torna-se ainda mais complexa.

Agregação em termos temporais

O período pode ser analisado em:

  • Mês;
  • Semana;
  • Dia

Agregação em termos de recursos

Os recursos podem ser agregados em termos de grupo de máquinas ou centros

 

Planejamento da Produção

Responsável por dizer o que a empresa pretende produzir para atender a demanda.

É uma fase que deve considerar muitas variáveis. As principais são:

  • Demanda do período: Significa Material Acabado, Cliente e Data de Necessidade. Pode vir de previsões ou de pedidos firmes;
  • Capacidade de produção: Normalmente modelado com base em restrições de produção, ou em outras palavras os gargalos do sistema;
  • Setup de produção: se já houver a desagregação dos produtos, i.e., tratar código de produto final (SKU) e não família, existe a necessidade de se tratar os setups, de forma a dar uma visão realista do que se vai produzir;
  • Abastecimento: Normalmente tratado como base em período firme ou horizonte congelado. Caso contrário, deve ser considerar o lead time das matérias-primas envolvidas
  • Necessidade de Faturamento: deve-se considerar fatores financeiros também no planejamento.

Período de análise:

Os Planos podem ser de longo prazo, como por exemplo plano anuais ou plurianuais. Esse período depende da capacidade da empresa em se mudar e ao mercado que atua. Normalmente uma empresa siderúrgica ou petroquímica os horizontes são mais longos do que uma empresa de injeção de plástico, por exemplo:

De qualquer forma é importante ter um planejamento anual (orçamento) para ajustar mão de obra, fornecimento, mão de obra e financeiro para o ano seguinte.

Revisões

As revisões normalmente são feitas mensalmente de forma a verificar o quanto a execução pode estar se dispersando do objetivo estabelecido no plano anual. Isso é importante para corrigir tanto problemas como:

  • Excesso de demanda. Se a empresa quiser atender a esse aumento, ela deve sinalizar para os fornecedores uma nova previsão de demanda para eles. Elas devem sinalizar também para o RH como ela irá tratar a necessidade de aumento de mão de obra e finalmente para o financeiro;
  • Baixa demanda: é quase que precisamente o inverso da situação anterior.

Importante: tanto excesso como falta de demanda podem acontecer com uma família e não com a outra. Por isso a análise torna-se ainda mais complexa.

Agregação em termos temporais

O período pode ser analisado em:

  • Mês;
  • Semana;
  • Dia

Agregação em termos de produtos

Os produtos podem ser agregados em termos de família de produtos de forma a tornar mais simples entender o comportamento da demanda.


 

Planejamento da Demanda

Planejamento da Demanda: é a primeira etapa do planejamento da empresa e diz o que a empresa pensa que o mercado demandará de seus produtos;

Existem vários métodos de se planejar a demanda. Os principais são relacionados a médias temporais:

  • Receber a demanda dos clientes: basicamente soma-se todas as demandas dos clientes por período;
  • Repetir a demanda do período passado: não havendo como prever melhor, repete-se o comportamento da curva no passado. Pode se fazer alguma correção, e.g., a demanda esse ano será 3% maior do que no ano passado.
  • Média móvel da demanda: tenta-se fazer a previsão usando um período de n-meses passados, de forma a seguir a tendência de aumento. O problema é que demora a curva a reagir a alteração de demanda.
  • Modelo de suavização exponencial: ajusta-se o modelo com base em na influência dos períodos mais próximos.
  • Métodos avançados como ARIMA – Box-Jenkins: também conhecido como modelo auto-regressivo integrado de média móvel. Tenta-se corrigir os efeitos do método de média móvel, assim como o exponencial, mas trata melhor a sazonalidade.

Período de análise:

Os Planos podem ser de longo prazo, como por exemplo plano anuais ou plurianuais. Esse período depende da capacidade da empresa em se mudar e ao mercado que atua. Normalmente uma empresa siderúrgica ou petroquímica os horizontes são mais longos do que uma empresa de injeção de plástico, por exemplo:

De qualquer forma é importante ter um planejamento anual (orçamento) para ajustar mão de obra, fornecimento, mão de obra e financeiro para o ano seguinte.

Revisões

As revisões normalmente são feitas mensalmente de forma a verificar o quanto a execução pode estar se dispersando do objetivo estabelecido no plano anual. Isso é importante para corrigir tanto problemas como:

  • Excesso de demanda. Se a empresa quiser atender a esse aumento, ela deve sinalizar para os fornecedores uma nova previsão de demanda para eles. Elas devem sinalizar também para o RH como ela irá tratar a necessidade de aumento de mão de obra e finalmente para o financeiro;
  • Baixa demanda: é quase que precisamente o inverso da situação anterior.

Importante: tanto excesso como falta de demanda podem acontecer com uma família e não com a outra. Por isso a análise torna-se ainda mais complexa.

Agregação em termos temporais

O período pode ser analisado em:

  • Mês;
  • Semana;
  • Dia

Agregação em termos de produtos

Os produtos podem ser agregados em termos de família de produtos de forma a tornar mais simples entender o comportamento da demanda.

Fase de Planejamento

A fase de planejamento é um portfólio de planos que visam direcionar a empresa para o atendimento de seus objetivos. Ela unifica a visão de negócio e alinhas objetivos e interesses. É composta de pelo menos os seguintes planos:

  1. Planejamento da Demanda: é a primeira etapa do planejamento da empresa e diz o que a empresa pensa que o mercado demandará de seus produtos;
  2. Plano de Produção: responsável por dizer o que a empresa pretende produzir para atender a demanda;
  3. Plano de Capacidade: diz como a empresa irá disponibilizar seus recursos para atender a produção planejada. Incluindo mão de obra, máquinas e ferramentas;
  4. Plano de Compras: Para que se possa produzir, necessita-se que os materiais que não são produzidos estejam nos estoques da empresa, quando a produção for começar;
  5. Plano de Estoque: Com base na demanda e no Plano de produção, pode-se projetar os estoques tanto de produto acabado, como de matéria-prima;
  6. Plano de Vendas: A demanda não é necessariamente o que se irá vender, pois vendas fica nivelada a capacidade de produção. Por isso, a demanda pode sofrer negociação, cancelamento ou postergação.
  7. Plano Financeiro: é o resultado final de todos os demais planos.

Outros planos podem ser ainda desdobrados, como por exemplo:

  1. Plano de Marketing
  2. Plano de RH

Período de análise:

Os Planos podem ser de longo prazo, como por exemplo plano anuais ou plurianuais. Esse período depende da capacidade da empresa em se mudar e ao mercado que atua. Normalmente uma empresa siderúrgica ou petroquímica os horizontes são mais longos do que uma empresa de injeção de plástico, por exemplo:

De qualquer forma é importante ter um planejamento anual (orçamento) para ajustar mão de obra, fornecimento, mão de obra e financeiro para o ano seguinte.

Revisões

As revisões normalmente são feitas mensalmente de forma a verificar o quanto a execução pode estar se dispersando do objetivo estabelecido no plano anual. Isso é importante para corrigir tanto problemas como:

  1. Excesso de demanda. Se a empresa quiser atender a esse aumento, ela deve sinalizar para os fornecedores uma nova previsão de demanda para eles. Elas devem sinalizar também para o RH como ela irá tratar a necessidade de aumento de mão de obra e finalmente para o financeiro;
  2. Baixa demanda: é quase que precisamente o inverso da situação anterior.

Importante: tanto excesso como falta de demanda podem acontecer com uma família e não com a outra. Por isso a análise torna-se ainda mais complexa.

Agregação em termos temporais

O período pode ser analisado em:

  1. Mês;
  2. Semana;
  3. Dia

Agregação em termos de produtos

Os produtos podem ser agregados em termos de família de produtos de forma a tornar mais simples entender o comportamento da demanda.

 

 

 

Lançamento do Seed APS – O Primeiro sistema de Planejamento Avançado em Cloud

Hoje é um dia especial para a Seed. Lançamos oficialmente o nosso APS na nuvem e estamos orgulhosos dele por ser o único sistema APS no mundo pensado e desenvolvido para rodar totalmente em Cloud. O primeiro em escala mundial. Nesse momento temos que agradecer a todos que colaboraram e ainda nos tem suportado. Não somente a equipe da Seed, mas também a clientes e parceiros tecnológicos que tanto colaboraram. Entre eles, temos que citar a Microsoft e a Intel. Ambas as empresas nos ajudaram a otimizar o sistema e portar para o Datacenter Microsoft Azure e a usar toda a capacidade de processamento disponível. E serão mais do que parceiros nesse nosso futuro.

Mas enfim, atingimos o sonho de poder prover um produto que se possa acessar onde quer que esteja, como o dispositivo que estiver na mão e trabalhar. É um sistema completo para o Planejamento Avançado da Produção e que não precisará ser instalado em nenhum computador ou servidor da empresa. Chega de prisão!

Mas, o que é mais importante, é um sistema totalmente vivo, que estará sendo melhorado continuamente e que nunca vai deixar de sofrer melhoria. Um sistema que o usuário irá usar e se surpreender positivamente cada vez que usar.

Mais do que um produto, é uma tecnologia revolucionária que irá abrir espaço para que empresas dos mais variados tipos e tamanhos possam finalmente ter acesso a uma ferramenta de PCP potente, rápida e alinhada com a tecnologia que está surgindo. Um sistema realmente preparado para IIoT e Industria 4.0.

Enfim, um novo passo no planejamento industrial.

Em breve, teremos ainda mais novidades e podem esperar, serão surpreendentes.

Um abraço de agradecimento a todos,

Fernando M. Loureiro

CEO da Seed Tecnologia.

Confira as novidades no site: http://www.seed.com.br